English

Português

Wednesday, March 8, 2017

Manual para a Confecção de Guirlandas





Queridas Vaishnavis! 

Está disponível para download o manual para confecção de guirlandas e ornamentos florais produzido e utilizado pelo departamento de decorações da ISKCON RJ! 



Clique na imagem abaixo para baixar o manual!




Thursday, February 9, 2017

Welcome! Bem-vindo(a)!


Vaisnavi Sanga is a place where the vaisnavis can exchange knowledge, talents,  experiences, information and inspiring each other!  By clicking on the flags above you can access the blog content in English or Portuguese, as you prefer. You can also share your realizations with us and get it published here by sending an e-mail to vaisnavi-sanga@hotmail.com. Welcome!
Your servant
Vaisnava Krpa devi dasi

Vaisnavi Sanga é um lugar onde as vaisnavis podem trocar conhecimento, talentos, experiências, informações e inspirarem-se umas as outras. Clicando nas bandeiras acima você pode acessar o conteúdo do blog em inglês ou português, como preferir. Você também pode compartilhar suas  realizações conosco e tê-los publicadas aqui enviando um e-mail para vaisnavi-sanga@hotmail.com. Seja bem-vindo(a)!
Sua serva
Vaisnava Krpa devi dasi 

Garlands and the Sankirtan Movement


     A few days ago I was looking for a text to read during a garland and floral ornament workshop at our local temple when suddenly: "Mayday, mayday, bring the oxygen masks!"


     I was not prepared for such an impact! What I thought to be a simple garland-making text was an inspiring lecture of self-reflection on our intentions, our surrender, detachment from our false ego, our ability to work cooperatively and help each other to better serve Krishna and to perfume our beautiful Sankirtan garland! Breathtaking! Gratitude to Radhanath Swami, who granted us with the nectar you can enjoy below:

Krishna accepts flowers

      "Are these Deities from all of your houses? Please raise your hands if your deities are here.  Are these all garland makers?  Please raise your hands if you are garland maker.
    When we began this temple we had Deities this big and they did not get garlands.  Gradually Radha Gopinath and other forms of the Lord appeared, and it was the spontaneous enthusiasm of all the devotees that created this wonderful worship that there is today.  It is not that ever there was an order what type of garland or how many garlands each day.  This is just from the few people who began and the enthusiasm of more and more and more devotees to participate, that the quality and the quantity increased.  Simple service but making a garland for Krishna is a deep meditation.  With every flower that we string on the mala our meditation should be an offering of our love, our devotion to Krishna.  Actually if you make even a single garland with that attitude your life will be perfect.  One mala offered or made with that spirit of devotion and you can  go to Golaka Vrindavan.  But it is not easy.  Actually making garland is a sadhana like chanting our rounds.  If we can say one name of Krishna purely, we can go to Golaka.  We are chanting and chanting with the intent that some day that name will come from our heart and our life will  be perfect.  Similarly, when that one flower strung with pure devotion, an honest and sincere intent is put on the mala, your life could be perfect.  That is the power of bhakti.  Even in such a simple service we can reach the highest perfection.  In the spiritual world the simplest things are the highest.  The Gopas, they decorate Krishna and Balaram with feathers, fruits, leaves and flowers.  Whenever  they find them on the ground, they somehow put them together and make decorations for Krishna and Balaram.  The Gopis, there are so many gardens in Vrindavan.  Pushpavan near Kusum Sarovar, where every day, just before noon, Smt. Radharani  collects flowers from that garden to make beautiful garlands to offer to Krishna when He meets her at Radha Kund.  The Pushpavan is very symbolic.  The highest  devotee, Smt. Radharani, at the highest place at Radha Kund, with highest Lila is manifested.  She is plucking flowers and making garlands for Krishna every day for all of eternity.  What is our qualification to make the mala for Radha and Gopinath, for Gaur Nitai, for Gopalji.  Actually we have no qualification.  In the spiritual world most intimate associates of the Supreme Lord are performing this service.  But by Srila Prabhupada’s mercy, by the mercy of vaisnavas, even with our false egos, our material desires and our spiritual laziness we have been given this service.  If we understand its value then we are really grateful.  We can achieve the greatest benefit.
    Sankirtan is the process in this age of kali.  Caitanya Caritamrita describes that Sri Caitanya Mahaprabhu,  through naam-sankirtan or prem-sankirtan, He garlanded the entire world.  Sankirtan means together. Together we are trying to create a garland by which we chant the holy names together.  It gives the highest pleasure to Krishna.  Now what would happen if all the flowers in a garland are fighting with one another.  It would be extremely uncomfortable for Radha-Gopinath.   They are arguing, fighting, envious of each other.  But when all the garlands, not the one flower saying ‘I am the best, you are all inferior to me, because of me this garland is excellent’.  If the mala had any flower of that type of false ego, it would be a disturbance to Krishna.  Every flower in the garland is there for the purpose of the whole garland.  No flower is thinking ‘ I am the center’.  Every flower is thinking ‘to whom we are being offered is the center – Krishna’, and we are all united for His pleasure.  The big flowers, the little flowers, the red flowers, orange flowers, yellow flowers, white flowers, there is no racism among flowers.  Not that I am whiter than you, I am bigger than you.  All the flowers are ‘Achintya bheda-abheda’.  They are simultaneously one and different.  One in the sense that they are all united for the pleasure of Radharani and  Krishna,  and different in the sense that according to their capacity they are contributing their own beauty, their own softness, their own fragrance, and they are helping to make each  other beautiful.  A wonderful garland is where every flower is enchancing the beauty of every other flower.  Not where one flower is trying to take the attention from all others.  Simply by studying very carefully, philosophically, analytically, emotionally the nature of the single garland we can understand the inner truths of bhakti.
“patram puspam phalam toyam
yo me bhakta prayacchati”
     Krishna tells “offer me with love and devotion, a flower, a fruit, little water, even a leaf; and I will accept it”. Everything is based on our devotion. Symptom of our devotion is our willingness to humble ourselves to be united for the service of Krishna.  if you want to be great there is no place for you in Vrindavan or  Vaikuntha.  Because in the spiritual world it is a society where everyone is thinking everyone else is greater than me.  Srila Prabhupada says ‘that is Vaikuntha consciousness – every other devotee is better than me, let me assist them, let me help them, let me harmonize with them’.  That is devotion, because that is the consciousness that pleases Krishna.  Selfishness, egotisms has no place in the spiritual world and it should be seen as the greatest distraction for our own spiritual development.   But the tendency is to become caught up by the illusions of maya and we strive to achieve what is the absolute worst thing for our welfare.   That is how maya breaks us, breaks our communities and breaks the chance of the world to receive bhakti.  And we should know that the consciousness that  you thread each flower is what Krishna accepts, not what everybody sees.   Devotee may say that is the nicest garland I have ever seen, offered to Gopinath.  But if you thread the flowers on it with ego, with bad feelings towards others in your mind while you are doing it, with selfishness;  while others are saying ‘O it is a beautiful garland’, Gopinath would rather have thorns and prickers put on Him – ugly rotten thorns and prickers.  That is the way He sees it.  Because He sees the devotion, He feels the devotion, not what it looks like.  Of course  our devotion is to try to make it look as best as possible.  We will not put thorns and prickers on the garland and call it love and devotion.  We will get the best possible flowers and put them in the best possible combinations with the best possible consciousness.   Selfish desires, envy towards others, parjalpa while making garlands, is  like a poison.  It is like giving nice sweet rice to Krishna and putting poison in it.  He will not enjoy it.
    So our temple is for one purpose only to help people realize how to love Krishna.  When we offer beautiful cloths, beautiful garlands, beautiful ornaments to the Deities it attracts people to Krishna.  Actually it is preaching.  People see how these devotees are taking so much care, so much time, God must be in this form.  They would not be doing this for a statue, otherwise they would be getting paid for it.  So by doing the best we can, we  actually attract people’s consciousness to begin to appreciate Krishna in His Personal Form.  But the consciousness with which we make these garlands  is what is going to have the potency to actually affect people’s  hearts.  To the degree we offer our service with pure devotion, to that degree anyone who appreciates it, makes great spiritual progress.   Whereas if we offer something in a very material state of consciousness, people who appreciate it will make  very little progress.
     Garland is a special part of our tradition.  It is the way we honor special guests.  It is the way we honor the spiritual master and the vaisnavas.  It is a form of worship.  It is a form of appreciation.  Deities are getting two garlands every day – Morning  before Mangal Arati, and before the Shringar Dharshan. But just to humble you, when I was Pujari, when we woke them up in the afternoon,  we also gave them new garlands.  Even Radha Vrindavan Chandar, when I was pujari, we have before Mangal Arati, Sringar darshan, then we put them to rest, we changed all their cloths and gave them new garlands every afternoon also.  I think you should consult others, especially the treasurer.   But it’s wonderful how worship is increasing so beautifully.  And it is so nice to see how you are all doing your seva at home.  I am very happy for this day, because now if any of you will invite me to your house, I can say I have already been there.  But the spirit of ladies coming together every morning, every evening, working for hours and hours to do this humble service for the Deities and for Srila Prabhupada, it is very beautiful to see a very simple part of the heart of our temple.  Many visitors from other places, they speak with great appreciation for the garland makers.  Just to see every one coming, working hour after hour after hour.  Even people coming from long distances almost every day, just to be together with devotees to serve Radharani and Gopinath.   Very simple, very deep, very wonderful.  Soon we will be having Pushya-abhishek, where hundreds and hundreds of members of the congregation are allowed to also participate in this service.
     Gopal’s Garden – all our children are like flowers,  Gopal’s Fun School also.  Bringing all these children together to make them into a beautiful garland to offer to Krishna.   Planting the seeds, offering the water, pulling the weeds, putting the natural fertilizers just to make that flower grow.  You should meditate on the miracle of every flower you string  on that garland.  It is a living miracle.  It is coming out of the ground, grows with water, with sunlight, with earth, with fertilizer to a brilliant color, nectarine fragrance, lovely texture, so beautiful.  Then little bee comes on it, takes its pollen and puts it on another.  The wind may also spread the pollen from one flower to another.  The flowers have babies.  It is like that.  Every flower is actually a baby of a mother.  It is Krishna’s miracle.  One of the beautiful things I appreciate about flowers and garlands is how within a day they wilt and become soggy and lose their fragrance, lose their color, lose their texture and nobody wants them.   Is not that wonderful?  It is so metaphorical to a life.  Everything in this world like a flower begins as a seed.  Every living being  begins like a seed and starts to grow as a sprout, then blossoms, then wilts and dies finally.   But Krishna accepts the essence.  This body does not last much longer than a flower garland from the perspective of eternity.  The amount of time that a flower garland wilts and is no longer nice in our vision, is really a long time compared to our time from the perspective of Lord Brahma.  Our whole life span is not even a second from his perspective, and all the aging and wilting and everything.  So a devotee is sargrahi.  All he is concerned with is the essence, seeking the essence of life, seeking the essence of everything we see.  And what is the essence?  The essence is that everything is connected to Krishna.  The essence is eternal.  The essence cannot be wilted by time.When you offer a garland to Krishna, or you put a flower, when you offer one flower, some people thread the flowers, other tie the flowers, according to your tradition of garland making.  Did you ever see those malas when they tie, with little string they tie each flower – very strong garlands. And every time you place one on, the act of devotion is eternal. Whatever you offer to Krishna that investment of devotion will never wilt, will never be lost.  It is ever fresh and forever.  That is the beauty of bhakti.
Thank you very much, Hare Krishna.

 By Radhanath Swami

Source: http://www.radhanathswami.net




Guirlandas e o Movimento de Sankirtan


        Esses dias estava procurando um texto para ler durante um workshop de guirlandas e adornos florais em nosso templo local, quando de repente: " Mayday, mayday, tragam as mascaras de oxigênio!"

      Não estava preparada para tamanho impacto! O que acreditei ser um simples texto sobre confecção de guirlandas, foi uma inspiradora palestra de auto reflexão sobre nossas intenções, nossa entrega, desprendimento do nosso ego falso, nossa capacidade de trabalhar cooperativamente e ajudar um ao outro a servir melhor a Krishna e perfumar nossa linda guirlanda de sankirtan! De tirar o fôlego! Gratidão a Radhanath Swami, que nos brindou com o néctar que vocês podem conferir abaixo:

Krishna Aceita Flores


"Quando começamos este templo, tinhamos Deidades deste tamanho e Elas não tinham guirlandas. Gradualmente, Radha Gopinath e outras formas do Senhor apareceram e foi o entusiasmo espontâneo de todos os devotos que criaram esta adoração maravilhosa que existe hoje. Não existia uma ordem sobre que tipo de guirlanda ou quantas guirlandas deveriam ser feitas por dia. Isto partiu de poucas pessoas que iniciaram este trabalho e foi pelo entusiasmo de mais e mais devotos que queriam participar, que a qualidade e a quantidade aumentou.

É um serviço simples, mas fazer uma guirlanda para Krishna é uma profunda meditação. A cada flor que encaixamos na guirlanda, nossa meditação deve ser uma oferenda de nosso amor, nossa devoção a Krishna. Na verdade, se você faz até mesmo uma única guirlanda com essa atitude sua vida será perfeita. Um guirlanda oferecida ou confeccionada com esse espírito de devoção pode levá-lo para Goloka Vrindavan. Mas não é fácil. Na verdade, fazer guirlanda é um sadhana como cantar nossas voltas de japa.

Se pudemos cantar um único nome de Krishna puramente, poderemos ir para Goloka. Estamos cantando e cantando com a intenção de que algum dia esse nome virá do nosso coração e nossa vida será perfeita. Da mesma forma, quando uma flor é encaixada com devoção pura, uma intenção honesta e sincera é colocada na guirlanda e sua vida pode ser perfeita. Esse é o poder de bhakti. Mesmo em um serviço tão simples, podemos alcançar a mais elevada perfeição. No mundo espiritual, as coisas mais simples são as mais elevadas. Os Gopas, decoram Krishna e Balaram com penas, frutas, folhas e flores. Sempre que os encontram no chão, eles de alguma forma eles os reunem e fazem decorações para Krishna e Balaram.

As Gopis, há muitos jardins em Vrindavan. Pushpavan perto de Kusum Sarovar, onde todos os dias, pouco antes do meio-dia, Srimati Radharani colhe flores deste jardim para fazer guirlandas bonitas para oferecer a Krishna, quando Ele a encontra no Radha Kunda. O Pushpavan é muito simbólico. A maior devota, Smt. Radharani, no lugar mais alto do Radha Kund, com a mais elevada Lila manifesta. Ela está colhendo flores e fazendo guirlandas para Krishna todos os dias por toda a eternidade. Qual é a nossa qualificação para fazer as guirlandas para Radha e Gopinatha, para Gaura Nitai, para Gopalji? Na verdade, não temos qualificação. No mundo espiritual, os mais íntimos associados do Senhor Supremo estão realizando esse serviço. Mas, pela misericórdia de Srila Prabhupada, pela misericórdia dos vaisnavas, mesmo com nossos falsos egos, nossos desejos materiais e nossa preguiça espiritual, recebemos esse serviço. Se compreendemos o seu valor, então ficamos realmente gratos. Assim podemos obter o maior benefício.

Sankirtan é o processo desta era de kali. O Caitanya Caritamrita descreve que Sri Caitanya Mahaprabhu, através de naam-sankirtan ou prem-sankirtan, guirlandou o mundo inteiro. Sankirtan significa juntos. Juntos estamos tentando criar uma guirlanda pela qual cantamos juntamente os santos nomes. Isso dá o maior prazer a Krishna. Agora o que aconteceria se todas as flores em uma guirlanda estiverem lutando uma com as outras? Seria extremamente desconfortável para Radha-Gopinath. Elas estão discutindo, brigando, invejosas umas das outras. Mas quando todas as guirlandas, não uma única flor dizendo: "Eu sou a melhor, todos vocês são inferiores a mim, por causa de mim esta guirlanda é excelente".  Se a guirlanda tivesse alguma flor com esse tipo de ego falso, seria um distúrbio para Krishna.

Cada flor na guirlanda está lá para o propósito de toda a guirlanda. Nenhuma flor está pensando "Eu sou o centro". Cada flor está pensando 'a quem estamos sendo oferecidos é o centro - Krishna', e estamos todos unidos pelo Seu prazer. As flores grandes, as flores pequenas, as flores vermelhas, as flores alaranjadas, as flores amarelas, as flores brancas, não há nenhum racismo entre as flores. Não que eu seja mais branco do que você, sou maior do que você. Todas as flores são 'Achintya bheda-abheda'. Eles são simultaneamente iguais e diferentes. Iguais no sentido de que todas elas estão unidas pelo prazer de Radharani e Krishna e diferentes no sentido de que, de acordo com sua capacidade, elas estão contribuindo com sua própria beleza, sua própria suavidade, sua própria fragrância e estão ajudando a tornar uma mais bela que a outra.

Uma guirlanda maravilhosa é  aquela onde cada flor está aumentando a beleza da outras flores. Não aquela onde uma flor está tentando tirar a atenção de todas as outras. Simplesmente estudando com muito cuidado, filosoficamente, analiticamente, emocionalmente a natureza da guirlanda  única, podemos entender as verdades internas de bhakti.

“Patram puspam phalam toyam /  Yo me bhakta prayacchati”

Krishna diz "ofereça-me com amor e devoção uma flor, um fruto, um pouco de água ou até uma folha e Eu os aceitarei". Tudo é baseado em nossa devoção. O sintoma de nossa devoção é nossa disposição de humilhar-nos para estarmos unidos no serviço a Krishna. Se você quer ser grande não há lugar para você em Vrindavan ou Vaikuntha. Porque o mundo espiritual é uma sociedade onde todo mundo está pensando que todo mundo é maior do que si.
Srila Prabhupada diz que "esta é a consciência de Vaikuntha - cada devoto é melhor que eu, deixe-me ajudá-los, deixe-me ajudá-los, deixe-me harmonizar com eles". Isso é devoção, porque essa é a consciência que agrada a Krishna. O egoísmo, o egoísmo não tem lugar no mundo espiritual e deve ser visto como a maior distração para o nosso próprio desenvolvimento espiritual. Mas a tendência é sermos apanhados pelas ilusões de maya e nos esforçamos para alcançar a pior coisa para o nosso bem-estar. É assim que maya nos quebra, quebra nossas comunidades e quebra a chance do mundo receber bhakti. E devemos saber que a consciência com a qual você enlaça cada flor é o que Krishna aceita, não o que todo mundo vê.

O devoto pode dizer “ esta é a guirlanda mais bonita que eu já vi ser oferecida a Gopinath”. Mas se você colocar as flores nela com ego, com sentimentos negativos para com os outros em sua mente, enquanto você está fazendo isto, com egoísmo, enquanto os outros estão dizendo: "Oh, é uma bela guirlanda", Gopinath preferiria ter espinhos e sobre Ele - espinhos feios e podres. É assim que Ele a vê. Porque Ele vê a devoção, Ele sente a devoção, não o que parece. É claro que nossa devoção é tentar fazê-la parecer o melhor possível. Não vamos colocar espinhos na guirlanda e chamar isto de  amor e devoção. Conseguiremos as melhores flores possíveis, as colocaremos nas melhores combinações possíveis com a melhor consciência possível. Desejos egoístas, inveja para com os outros, parjalpa fazendo guirlandas, é como um veneno. É como dar arroz doce agradável a Krishna e pôr o veneno nele. Ele não vai gostar.

Portanto, nosso templo tem um único propósito, apenas ajudar as pessoas a compreenderem como amar a Krishna. Quando oferecemos belas roupas, belas guirlandas, belos ornamentos para as Deidades, isso atrai pessoas para Krishna. Na verdade, isso é pregação. As pessoas vêem como esses devotos estão oferecendo tanto cuidado, tanto tempo, Deus deve estar nesta forma. Eles não estariam fazendo isso por uma estátua, caso contrário eles seriam pagos por isso. Assim, fazendo o melhor que podemos, na verdade atraímos a consciência das pessoas para começar a apreciar Krishna em Sua Forma Pessoal. Mas a consciência com que fazemos essas guirlandas é o que vai ter a potência de realmente afetar o coração das pessoas. Quanto mais oferecemos nosso serviço com devoção pura, mais as pessoas apreciam e fazem grande progresso espiritual. Considerando que, se oferecemos algo em um estado material de consciência, as pessoas que o apreciam farão muito pouco progresso.

As guirlandas são uma parte especial da nossa tradição. É a maneira que nós honramos convidados especiais. É o modo como honramos o mestre espiritual e os vaisnavas. É uma forma de adoração. É uma forma de apreciação. Deidades estão recebendo duas guirlandas todos os dias - De manhã antes do Mangal Arati, e antes do Shingar Dharshan. Quando eu era Pujari, quando nós  acordávamos as Deidades na parte da tarde, nós também Lhes davamos novas guirlandas. Mesmo Radha Vrindavan Chandra, quando eu era pujari, tinhamos antes Mangal Arati, Sringar darshan, então nós Os colocávamos para descansar, mudávamos todas as suas roupas e oferecíamo-Lhes novas guirlandas todas as tardes também.

Eu acho que você deve consultar outros devotos, especialmente o tesoureiro. Mas é maravilhoso como a adoração está crescendo tão lindamente. E é tão bom ver como vocês estão todos fazendo seu seva em casa. Estou muito feliz por este dia, porque agora, se algum de vocês me convidar para sua casa, posso dizer que já estive lá. Mas o espírito das senhoras reunidas todas as manhãs, todas as noites, trabalhando horas e horas para fazer este serviço humilde para as Deidades e para Srila Prabhupada, é muito bonito ver uma parte muito simples do coração do nosso templo. Muitos visitantes de outros lugares, eles falam com grande apreço das guirlandeiras. Apenas por ver cada um que vem, trabalhando hora após hora após hora. Mesmo pessoas que vêm de longas distâncias quase todos os dias, apenas para estar junto com os devotos para servir Radharani e Gopinath. Muito simples, muito profundo, muito maravilhoso. Logo estaremos tendo Pushya-abhishek, onde centenas e centenas de membros da congregação são autorizados a participar também neste serviço.

Gopal's Garden - todos os nossos filhos são como flores, Gopal's Fun School também. Reunindo todas essas crianças para transformá-las em uma bela guirlanda para oferecer a Krishna. Plantando as sementes, oferecendo a água, retirando as ervas daninhas, colocando os fertilizantes naturais, apenas para fazer essa flor crescer. Você deve meditar sobre o milagre de cada flor que você seqüência na guirlanda. É um milagre vivo. Está saindo do solo, cresce com água, com luz solar, com terra, com fertilizante e uma cor brilhante, nectarina fragrância, textura bonita, tão bonita. Então a abelha pequena vem até ela, toma o pólen e o coloca em outra. O vento pode também espalhar o pólen. De uma flor para outra. As flores têm bebês. É assim. Cada flor é realmente um bebê de uma mãe. É o milagre de Krishna.


Uma das coisas bonitas que eu aprecio sobre flores e guirlandas é como dentro de um dia eles murcham, tornam-se encharcados e perdem a sua fragrância, perder a sua cor, perder a sua textura e ninguém os quer. Não é maravilhoso? É tão metafórico para uma vida. Tudo neste mundo, assim como uma flor começa como uma semente. Cada ser vivo começa como uma semente e começa a crescer como um broto, então floresce, então murcha e morre finalmente. Mas Krishna aceita a essência. Este corpo não dura muito mais do que uma guirlanda de flores a partir da perspectiva da eternidade. A quantidade de tempo que uma guirlanda de flores leva para murchar e não ser mais agradável à nossa visão, é realmente um longo tempo em comparação com o nosso tempo, a partir da perspectiva do Senhor Brahma. Nossa vida inteira não é nem um segundo de sua perspectiva, assim como todo o  envelhecimento e murchamento etc. Então, um devoto é sargrahi. Tudo o que ele está interessado é a essência, buscando a essência da vida, buscando a essência de tudo o que vemos. E qual é a essência? A essência é que tudo está ligado a Krishna. A essência é eterna. A essência não pode ser murchar com o tempo.

Quando você oferece uma guirlanda para Krishna, ou você coloca uma flor, quando você oferece uma flor, algumas pessoas enfiam as flores, outras amarram as flores, de acordo com sua tradição de fazer guirlandas. Você já viu aquelas guirlandas amarradas, com pouca corda amarram cada flor - guirlandas muito fortes. E cada vez que você coloca uma flor, o ato de devoção é eterno. Tudo o que você oferecer a Krishna, este investimento de devoção nunca vai murchar, nunca será perdido. É sempre fresco e para sempre. Essa é a beleza de bhakti.

Muito obrigado, Hare Krishna."

Por Radhanath Swami


Fonte: http://www.radhanathswami.net 

Thursday, February 2, 2017

Checando seu Progresso Espiritual no dia de Ekadasi



Dentre muitos passatempos e significados especiais sobre o dia de Ekadasi (jejum de grãos que ocorre nos décimos primeiros dias após as luas nova e cheia), bem como propósitos da data, certa vez ouvi uma aula de SS Sacinandana Swami que dizia que esta data seria uma excelente oportunidade para ouvirmos mais sobre Krishna e checarmos nosso progresso espiritual. 

 Checar o progresso espiritual? Como assim?


Quando alguém amadurece na vida espiritual, podemos observar 3 desejos (Abhilas). Quando esses desejos não surgem, vê-se que não se está amadurecendo. Assim como um adolescente que no seu processo de amadurecimento vê sua voz engrossar e outras transformações físicas acontecerem,  percebendo que tudo está normal, na vida espiritual também é preciso checar se tudo está normal conosco. Se também estamos amadurecendo e se temos os 3 sintomas de maturidade espiritual:

1) Prapti Abhilas - Desejo de alcançar Krishna

2) Seva Abhilas - Desejo de realizar serviço a Krishna

3) Radha Abhilas - Desejo de ter um relacionamento de coração para coração com Radha e Krishna.


Desta forma, o dia de EKADASI nos encoraja a medir,  checar se estamos desenvolvendo esses sintomas: 


✔ Estou me transformando positivamente?

✔ Minha vida espiritual está progredindo para algum lugar?

✔ Meu apego por Krishna está aumentando?



Lembrando que desapego do mundo material, não representa apego por Krishna, mas apenas uma parte dele. Uma vez que desenvolvemos apego por Krishna, o desapego pelo mundo material é uma consequência.



Então já sabem, no próximo Ekadasi, aproveitem o dia de introspecção para realizar sua checagem espiritual e meditar nessas 3 questões!



Desejando servir

Vaisnava Krpa dd

New Vrindavan Remembers Hladini devi Dasi

By New Vrindavan Communications      


Hladini was born on January 16, 1949. Her parents gave her the name Linda Jury. Later, she received the name Hladini from her beloved Guru Maharaja, His Divine Grace A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada, the Founder-Acarya of the International Society for Krishna Consciousness (ISKCON).

Hladini grew up in a suburb of Detroit with her older brother and sister. She had many friends and lots of pets, including a dog named Pepperdoodle and a frog named Herbie. She spent her summers at the family’s vacation cottage. Hladini had a happy childhood.

In 1969, Hladini married Mike Ryon. Like many young people, Hladini and her husband were searching for the truth and a sense of fulfillment. Mike read different books about Zen, Taoism, and other eastern religions to find answers to their many questions. After Mike read a book entitled “The Wisdom of God” by Prabhupada, heard the devotees chanting the Hara Krishna maha-mantra, and tasted the free vegetarian food they served, he was convinced that he belonged with the devotees.

Mike and Hladini moved into the Detroit temple. At first, Hladini joined the Hare Krishna temple simply because it was what her husband had wanted. Soon, however, Hladini became convinced that the temple was the right place for her. In March 1970, she wrote to Prabhupada and asked for spiritual initiation. Prabhupada replied immediately by letter, in which he gave her the name Hladini.




In 1972, Hladini and Mike moved to New Vrndavan. Later that year, Mike left New Vrindaban permanently, while Hladini chose to stay. New Vrindaban was her home. Soon, Hladini became one of the most popular devotees in New Vrindaban.

“I moved to New Vrindaban from Zambia [in southern Africa] in 1986 with my husband and four children,” said Manasa Ganga devi dasi. “Hladini blew my mind. I had never before met anyone who was so blissful. She always had a beautiful smile on her face and she was kind and gentle with everyone, especially the children. Hladini loved the children and encouraged them.” For eighteen years, Hladini lived and served in New Vrindaban.



In December 1990, Hladini made the painful decision to leave the place that was so dear to her, and traveled to west Africa. The devotees there so much appreciated Hladini’s service and inspiration that she was given the honor of being the regional secretary. In this capacity, Hladini traveled from center to center, teaching and assisting the devotees in every possible way.


By the time Hladini reached Monrovia, the capital of Liberia, the country was entrenched in a fratricidal civil conflict. The warlords of the seven rivaling parties were fighting for power, while there was wide-spread starvation amongst the people. Seeing the suffering of the people, the devotees of the Hare Krishna temple in Monrovia approached the warlords and arranged to start a Food for Life program.


The warlord who controlled Monrovia, Prince Johnson, agreed to the proposal and the devotees began the free food distribution program. Prince Johnson visited the temple more than once and accepted a Bhagavad-Gita As It Is from the devotees.

As the war intensified, the US government ordered all US citizens to evacuate the country. Hladini had to decide whether to stay in Monrovia or return to safety in Nigeria. True to her nature, Hladini’s compassion and mercy for others outweighed any concern she had for her own safety. She opted to stay. Hladini was the only senior devotee in Monrovia, and her presence gave solace to the native African devotees who could not leave.

On June 14, 1990, Hladini wrote in a letter to Radhanath Swami, a friend from New Vrindaban:


"[T]here is never a dull moment. Now I’m stranded in Liberia in the middle of a war to overthrow the government. The airport has been seized and they asked all Americans and foreigners to leave the country immediately. American marines sent 6 battleships and 2000 marines to evacuate the citizens. I’m just going to assist the devotees through the hard times. There’s scarcity of food as all the roads are blocked and no supplies can come in. 150,000 people fled the country in the last few weeks. Every day at least 10 people get beheaded and the rebels are still 35 miles from the city . . ."

Prince Johnson was killing all suspected friends and soldiers of the former president. Johnson was also known for killing his own men at a faster rate than the enemy. The warlord’s reputation for insane murder bothered some of the devotees, who therefore wrote a letter to him saying that he should stop killing people.

Johnson, who would not tolerate the slightest criticism of his actions, was angered by the letter. A well-wisher passed a message to the devotees that Johnson was likely to get rid of them. At that time, it was too late to leave the temple and take shelter elsewhere, as many of the buildings in the area were either destroyed or being controlled by Johnson’s troops. The devotees stayed at the temple and left their fate in the hands of Lord Krishna.

On october 3,1990,  the death squad arrived at the Hare Krishna temple in the capital city of Monrovia in the early morning hours, and ordered the devotees to come out. Seven devotees, five men and two women, exited the temple and filed into the waiting jeep. They were driven a short distance to the Sturton Bridge, where the devotees were forced out at gunpoint and herded onto the sand next to the river. The leader announced that only the men would be killed. Thus Hladini, a woman, knew she would not be killed.

As the leader raised his weapon to fire the first execution volley, Hladini leapt forward and attacked him with her bare hands. She shouted, “How dare you kill the devotees of Krishna? Better you kill me than kill them!” Hladini was the first to be shot.

Suddenly, those two devotees heard gun shots from the direction of the bridge. They saw that the captured devotees were being shot by Johnson’s men. At daybreak, they came down from the tree. Instead of going to the temple, they walked to the river where they saw Hladini’s sari floating on the water. Hladini, along with the five male devotees, had become a martyr of the Liberian War. 

“When we heard in New Vrindaban that there had been a coup in Liberia and Hladini was trapped, the whole community came together at the Palace of Gold and prayed,” remembers Manasa Ganga. “When we heard Haldini had been killed, it was a huge shock. We held a memorial service and everyone came because she was one of the most loved devotees in the community. She always had a smile on her face and she was always ready to help out.

“Nothing was ever a bother,” said Manasa Ganga with a sad smile. “For Hladini, taking care of others was always a pleasure. That’s what she gave her life for – taking care of others.”


New Vrindaban Community is located south of Moundsville – Wheeling, off Route 250. For more information, contact (304) 843-1600 or visit www.NewVrindaban.com

          



Chronological re-edition from: Dandavats.com


A Heroína Mártir Vaishnavi S.G. Hladini Devi Dasi



A Heroína Mártir Vaishnavi S.G. Hladini Devi Dasi



 

Sua Graça Hladini Devi Dasi

Nova Vrindaban Relembra Hladini Devi Dasi

Por Nova Vrindaban Comunicações [reedição, apenas cronológica, pelo tradutor]

Hladini nasceu em 16 de janeiro de 1949. Seus pais lhe deram o nome de Linda Jury. Mais tarde, ela recebeu o nome Hladini de seu amado Guru Maharaja, Sua Divina Graça A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada, o Fundador-Acarya da Sociedade Internacional para a Consciência de Krishna (ISKCON).

Hladini cresceu em um subúrbio de Detroit [EUA] com seu irmão mais velho e irmã. Ela tinha muitos amigos e muitos animais, inclusive um cachorro chamado Pepperdoodle e um sapo chamado Herbie. Ela passava os verões dela numa cabana de férias da família. Hladini teve uma infância feliz.

Em 1969, Hladini casou-se com Mike Ryon. Como muitos jovens, Hladini e seu marido estavam procurando pela verdade e por um senso preenchimento. Mike leu diferentes livros sobre Zen, Taoísmo e outras religiões orientais para encontrar respostas às muitas questões deles. Após Mike ler o livro intitulado "A Sabedoria de Deus" de Srila Prabhupada, ouvido os devotos cantando o maha-mantra Hare Krishna e provado a comida vegetariana grátis que eles serviram, ele ficou convencido de que pertencia aos devotos.

Mike e Hladini mudaram-se para o templo de Detroit. No início, Hladini entrou para o templo Hare Krishna simplesmente porque era o que seu marido queria. Logo, entretanto, Hladini convenceu-se de que o templo era o lugar certo para ela. Em março de 1970 ela escreveu para Prabhupada e pediu por iniciação espiritual. Prabhupada respondeu imediatamente por carta, na qual lhe deu o nome de Hladini.



Em 1972, Hladini e Mike mudaram-se para Nova Vrindaban. No final daquele ano, Mike deixou Nova Vrindaban permanentemente, enquanto Hladini escolheu ficar. Nova Vrindaban era sua casa. Logo, Hladini tornou-se um dos devotos mais populares em Nova Vrindaban.

"Eu me mudei para Nova Vrindaban da Zâmbia (no sul da África) em 1986 com meu marido e quatro crianças", disse Manasa Ganga devi dasi. "Hladini virou minha cabeça. Eu nunca havia encontrado alguém que fosse tão feliz. Ela tinha sempre um sorriso no rosto e era boa e gentil com todos, especialmente com as crianças. Hladini amava as crianças e as encorajava." Por dezoito anos, Hladini viveu e serviu em Nova Vrindaban.


Sua Graça Hladini Devi Dasi com as crianças

Em dezembro de 1989, Hladini tomou a dolorosa decisão de deixar o lugar tão querido por ela, e viajou para o oeste da África. Os devotos de lá gostaram tanto do serviço e da inspiração de Hladini que lhe deram a honra de ser secretária regional. Nesta função, Hladini viajou de centro em centro ensinando e ajudando os devotos de todas as formas possíveis.


Sua Graça Hladini Devi Dasi na África com as Deidades, devotos e Bhakti Tirtha Svami


Quando Hladini chegou à Monróvia, a capital da Libéria, o país estava atolado em um conflito civil fratricida. Os comandantes de sete grupos rivais lutavam por poder, enquanto havia fome em larga escala entre a população. Vendo o sofrimento do povo, os devotos do templo Hare Krishna em Monróvia aproximaram-se dos comandantes e organizaram-se para começar um programa Alimentos para a Vida.

O comandante que controlava Monróvia, Prince Johnson, concordou com a proposta e os devotos começaram um programa de distribuição gratuita de comida. Prince Johnson visitou o templo mais de uma vez e aceitou o Bhagavad-Gita Como-Ele-É dos devotos.

Quando a guerra se intensificou, o governo dos EUA ordenou que todos os cidadãos dos EUA evacuassem o país. Hladini teve que decidir se permaneceria em Monróvia ou retornaria por segurança à Nigéria. Verdadeira à sua natureza, a compaixão e misericórdia de Hladini pelos outros suplantaram qualquer preocupação que ela tivesse com sua própria segurança. Ela optou por ficar. Hladini era o único devoto sênior em Monróvia e sua presença deu consolo aos devotos africanos nativos que não podiam sair.
Em 14 de junho de 1990, Hladini escreveu uma carta para Radhanath Swami, um amigo de Nova Vrindaban:

               "Aqui, nunca há um minuto de sossego. Agora estou encalhada na Libéria no meio de uma guerra para derrubar o governo. O aeroporto foi ocupado e eles pediram a todos os americanos e estrangeiros que deixem o país imediatamente. Os fuzileiros americanos enviaram 6 navios de guerra e 2.000 fuzileiros navais para evacuar os cidadãos. Estou apenas ajudando os devotos em tempos difíceis. Há escassez de comida pois todas as estradas estão bloqueadas e nenhum suprimento pode chegar. 150.000 pessoas fugiram do país nas últimas semanas. Todo dia pelo menos 10 pessoas são decapitadas e os rebeldes ainda estão a 65 quilômetros da cidade..."

Prince Johnson estava matando todos os suspeitos amigos e soldados do presidente anterior. Johnson também era conhecido por matar seus próprios homens em escala mais rápida do que o inimigo. A reputação do comandante de assassino insano incomodou alguns dos devotos, que então lhe escreveram uma carta dizendo que ele deveria parar a matança de pessoas.

Johnson, que não tolerava a mais leve crítica à suas ações, ficou furioso com a carta. Um bem-querente passou a mensagem aos devotos de que Johnson estava querendo se livrar deles. Naquele momento, era muito tarde para deixar o templo e pedir refúgio em outro lugar, já que muitos dos prédios na área estavam ou destruídos or sendo controlados pelas tropas de Johnson. Os devotos ficaram no templo e deixaram seus destinos nas mãos do Senhor Krishna.

Domingo, 03 de outubro de 1990. O esquadrão da morte chegou ao templo Hare Krishna, na cidade capital de Monróvia, nas primeiras horas da manhã, e ordenou que os devotos saíssem. Sete devotos, cinco homens e duas mulheres, deixaram o templo e se enfileiraram para dentro do jipe que os aguardava. Johnson e seus homens carregaram de jipe os sete devotos que foram capturados. Dois devotos conseguiram escapar pela porta traseira e subiram as árvores para se esconder. Eles foram levados à uma curta distância da Ponte Sturton, onde os devotos foram forçados à mão armada e arrebanhados na areia próxima ao rio. O líder anunciou que apenas os homens seriam mortos. Assim Hladini, uma mulher, sabia que não seria morta.

Assim que o líder ergueu sua arma para disparar a primeira salva da execução, Hladini pulou para a frente e o atacou de mãos vazias. Ela gritou, "Como você ousa matar os devotos de Krishna? É melhor você me matar do que matá-los!" Hladini foi a primeira a ser baleada. 

De repente, aqueles dois devotos ouviram tiros de armas vindos da direção da ponte. Eles viram que os devotos capturados haviam sido baleados pelos homens de Johnson. Na madrugada, eles desceram da árvore. Ao invés de irem para o templo, andaram pelo rio onde viram o sari de Hladini flutuando na água. Hladini, junto com os cinco devotos homens, tornou-se mártir da Guerra Liberiana.

Hladini devi dasi foi brutalmente fuzilada por um esquadrão armado, extrajudicial, numa Libéria dilacerada pela guerra, no oeste da África. 

"Quando ouvimos em Nova Vrindaban que havia ocorrido um golpe na Libéria e Hladini fora pega, toda a comunidade juntou-se no Palácio de Ouro e orou", relembra Manasa Ganga. "Quando ouvimos que Hladini havia sido morta, foi um grande choque. Nós executamos um serviço memorial e todos vieram porque ela era um dos mais amados devotos na comunidade. Ela tinha sempre um sorriso no rosto e estava sempre pronta para ajudar.



"Nada era um incômodo", disse Manasa Ganga com um sorriso triste. "Para Hladini, cuidar dos outros era sempre um prazer. Foi por isso que ela deu sua vida - para cuidar dos outros."


Nota do tradutor: Prince Yormie Johnson (nascido em 1952) é um político liberiano eleito Senador Sênior da Libéria em 2005, mantendo-se até hoje em 2017Ex-líder rebelde, Johnson foi proeminente na Primeira Guerra Civil Liberiana, em particular por capturar, torturar, mutilar e executar o Presidente Samuel Doe, que derrubou e assassinou pessoalmente o presidente anterior, Willian R. Tolbert Jr. (fontes desta nota: Independent, Wikipedia e BBC)

Fonte: Dandavats.com

Versão Traduzida: Fórum ISKCON Brasil